5 DICAS ESSENCIAIS PARA UMA VIAGEM DE MOTO

Dicas para viagem de moto

Fonte: Viagem de Moto

Está prestes a viajar com a sua motocicleta? Quem o faz com frequência sabe que é normal nos preocupamos antes de iniciar uma viagem – afinal, quem nunca sofreu com imprevistos? Portanto, quando se pretende fazer uma viagem em duas rodas, o planejamento tem que ser extremamente meticuloso, pois você poderá estar sozinho, rodará por muitas horas e não terá um teto para descansar - caso algo aconteça. Por isso, vale anotar essas dicas básicas, porém super importantes:

1 - Manutenção

Por incrível que pareça, muita gente não faz uma revisão da moto antes de viajar. Mas é importante verificar se sua moto tem condições de fazer uma longa viagem. Itens importantíssimos são os pneus, pois nem sempre é possível carregar um extra - ao contrário dos carros, onde isso pode ser feito facilmente. Portanto, verifique se eles estão em perfeito estado e troque-os caso estejam desgastados ou carecas. Afinal, tenho certeza de que a última coisa que você deseja é ficar parado na estrada e sem nenhuma loja por perto que venda o modelo adequado para a sua motocicleta.

2- Acomodação e paradas

Planejar suas paradas agora está mais fácil e barato do que nunca. Aplicativos como o Airbnb trazem boas opções e facilidades quando se trata de acomodação: você pode alugar um quarto ou um apartamento com apenas um clique, e essas locações tendem a ser muito mais em conta do que qualquer quarto de hotel. Outro aplicativo interessante é o do PedidosJá, grande empresa de delivery que cobre o Brasil inteiro, que te localiza pelo GPS ou CEP e mostra quais restaurantes estão disponíveis para fazer entregas. Por último, para turistar, vale a pena dar uma olhada no Fieldtrip (em inglês), aplicativo que mostra bares, restaurantes e pontos turísticos que se encontram perto do usuário.

3 - Mapas

O sinal de internet é inconstante em estradas, especialmente se você estiver longe de cidades grandes. Por isso, é extremamente importante possuir um mapa offline para os momentos que ficará sem 3G/4G. Você sabia que o Google Maps oferece esta opção? 

4 - Hidratação e alimentação

Viajar de moto requer cuidados com o corpo também. Por isso, carregue barras de cereal e garrafas d’água para manter-se hidratado e com os níveis de açúcar sob controle. Além disso, procure dar uma pausa a cada 2 horas para alongar o corpo. Lembre-se: você está no comando, logo, sua cabeça e seu corpo precisam estar funcionando muitíssimo bem.

5 - Sono

Quando você for parar para descansar, descanse mesmo! Durma o suficiente e evite ingerir cafeína, pois dirigir com sono é a causa de 20% dos acidentes de trânsito. Então, respeite os seus níveis de energia para evitar problemas na estrada.

E não se esqueça de passar na Casa Fernandes Pneus para checar seu pneu antes de sair.

AS 10 MELHORES ESTRADAS NO MUNDO

Fonte: Pirelli 

A Estrada do Atlântico

1. A Estrada do Atlântico
Møre og Romsdal, Noruega
(5 milhas/8km)
Fiordes, montanhas, mares agitados, ilhas rochosas e aldeias pitorescas – você encontrará milhares de quilômetros de tudo isso na longa costa atlântica da Noruega. Mas para deixar as coisas mais emocionantes, há um pequeno trecho chamado ‘A Estrada do Atlântico’ que se destaca. Ele liga uma cadeia de minúsculas ilhas através de uma série de pontes projetadas com muito requinte, como se dinheiro não fosse o problema. É tão espetacular, especialmente no meio do mar, que dez diferentes montadoras de automóveis filmaram comerciais lá.

Passo do Stelvio

2. Passo do Stelvio 
Bormio, Itália
(12 milhas/20km)
Pode não ser a rota mais bonita ou cênica, mas o Stelvio é geralmente escolhido como a melhor estrada do mundo para dirigir – algo que até o programa Top Gear da BBC reconheceu. Essa rota alpina entre a Itália e Suíça é simplesmente uma longa “parede” com 48 curvas fechadas que chega à altitude máxima de 2.757m no topo… além de 34 curvas da descida. Você vai trabalhar muito os braços e gastar muito pneu – exatamente o que os motoristas apaixonados mais gostam.

3. Passo de Hardknott
The Lake District, Inglaterra
(15 milhas/24km)
Prepare-se para a estrada conhecida como a ‘mais chocante do Reino Unido’. Esse remoto, selvagem e lindo passo perto do pico mais alto da Inglaterra, o Scafell Pike, é quase tão estreito quanto uma trilha, sem proteções nas encostas e com inclinações de 33%. Esses trechos que chegam a assustar de tão inclinados, assim como as curvas extremamente fechadas, fazem você querer diminuir a marcha quando percebe que já está na primeira. Fica localizada na parte alta da West Cumbria, então espere chuva horizontal, rajadas de ventos e superfícies escorregadias.

Hringvegur 1 Rodovia Nacional 1

4. Hringvegur 1 – Rodovia Nacional 1
Islândia
(828 milhas/1.332km)
O anel viário nacional da Islândia faz um loop contínuo ao longo da sua costa. Para a população local ele serve de ligação entre todas as vilas de pesca passando pelas extremidades da ilha. Para os visitantes, oferece uma viagem encantadora através de cenários extraordinários de geleiras, vulcões, quedas d’água, gêiseres, lagos, montanhas, mares, fiordes, ilhas e icebergs. Fique atento às poças de lama azul geotermais, cursos de lava quente e renas inquisitivas. E quando escurece, prepare-se para um espetáculo da Aurora Boreal também.

5. Overseas Highway
Miami a Key West, Estados Unidos
(113 milhas/182km)
A estrada atravessa tanto mar que lembra uma viagem de barco. Um trecho que parece mais um sonho e que liga o continente à cadeia de ilhas localizadas bem ao sul da Flórida. É uma viagem exótica de corais, mangues e praias arenosas com muitas palmeiras. Durante o caminho, você cruzará 42 pontes sobre o mar, uma delas com 11km. Esses cenários litorâneos ficam mais bonitos durante os clássicos nascer do sol e pôr do sol da Flórida.

6. Icefields Parkway
Banff a Jasper, Canadá
(140 milhas/230km)
A estrada ao norte de Banff em direção a Jasper é de arregalar os olhos - ela passa pelo coração das Montanhas Rochosas. O destaque é o Campo de Gelo Columbia, uma área de 325 quilômetros quadrados de gelo sólido com até 365m de espessura, inclusive mais de 100 geleiras. O restante da viagem cruza dois parques nacionais, passando por vastas florestas verdes margeando picos nevados, quedas d’água ensurdecedoras e lagos cintilantes. 

7. The Garden Route 
Mossel Bay ao Rio Storms, África do Sul
(148 milhas/238km)
Uma das melhores viagens de férias do mundo, o famoso trecho que sai da parte leste da Cidade do Cabo é uma rodovia confortável e bem sinalizada ao longo da costa dos sonhos. Você dirigirá entre o Oceano Índico e as montanhas verdes, curtindo uma sequência de praias arenosas com lindas montanhas ao fundo e elegantes e antigas cidades costeiras coloniais. 

8. Rota dos Sete Lagos
Villa la Angostura a San Martin de los Andes, Argentina
(68 milhas/110km)
Essa maravilhosa rota que atravessa o ‘Distrito dos Lagos’ na Argentina era utilizada somente para viagens off-road, mas foi recentemente pavimentada. Agora a adorável e cênica rota pode ser atravessada facilmente – contanto que você não se distraia com as constantes vistas a lagos, florestas e rios. Fique atento ao gado e cavalos de fazendas remotas que atravessam a estrada. Leve também algum combustível extra e bebidas porque não há postos de serviço no caminho.

suarthighway

9. Stuart Highway
Darwin a Port Augusta, Austrália
(1.761 milhas/2.834km)
Os australianos chamam essa rota norte-sul que atravessa o coração do seu país de ‘A Trilha’. Você seguirá os passos intrépidos do explorador vitoriano escocês John McDouall Stuart desde o árido deserto do outback no Sul da Austrália até a exuberante cidade tropical de Darwin, localizada no norte do país. Faça um curto desvio e pare em Uluru, sempre tomando cuidado com os indóceis cangurus e ‘trens da estrada’, os gigantescos comboios de caminhões em alta velocidade.

10. Over-Water Highway
Província de Hubei, China 
(7 milhas/11km)
Aqui você tem a chance de dirigir em uma estrada nova em folha construída sobre rio em meio a profundos desfiladeiros. Os engenheiros construíram dessa forma e não na encosta para proteger as árvores. O espetacular trecho impressiona tanto pela vista quanto pela experiência de direção.

E antes de encarar a estrada lembre-se sempre de checar os pneus na Casa Fernandes Pneus.

10 CONSELHOS AO MOTOCICLISTA INICIANTE

Fonte: G1

A inexperiência tem prazo de validade curto. Quanto mais você pratica, mais você aprende, e pilotar uma motocicleta não foge a esta regra. Acumular quilômetros rodados te dará cada vez mais capacidade de dominar o veículo de maneira automática e segura, quase como se fosse uma extensão de seu corpo. Porém, para facilitar a vida dos que estão começando, coloco aqui 10 dicas e conselhos importantes:

1 - POSICIONAMENTO AO GUIDÃO
No começo, o nervosismo pode resultar em uma postura de pilotagem excessivamente rígida, o que não ajudará em nada a condução. Tente assumir uma posição natural ao guidão – isto já é meio caminho andado para pilotar bem.

Motos também exigem uma boa dose de energia física para serem conduzidas. Então, qual o segredo para alcançar o meio-termo ideal entre o necessário relaxamento e a força para atuar de maneira correta e se sentir “no comando”? Manter ambos joelhos pressionando levemente o tanque e segurar o guidão com firmeza (mas sem exagero) é o ideal para fazer com que moto e condutor formem um conjunto único.

Esse conceito de integrar homem e máquina é a mais manjada e perfeita das regras para levar bem uma moto. Seja nas mudanças de direção, curvas acentuadas ou frenagens, ter sempre em mente que você e a moto devem formar uma só peça fará toda a diferença.

2 – USE O EQUIPAMENTO CERTO
A lei obriga a usar capacete. O bom senso manda usar luvas, calçados de cano alto e um traje – calça e jaqueta – com proteções nos pontos cruciais. Mas não exagere. Se você está começando a pilotar uma moto pequena, usar um macacão de couro igual ao do Valentino Rossi só irá atrapalhar seu aprendizado.

Visto que as primeiras centenas de quilômetros ao guidão devem obrigatoriamente ser percorridas em baixas velocidades, o grau de proteção dos seus trajes pode ser leve, para que haja conforto.

Capacetes abertos, os chamados tipo “Jet”, sem proteção para o queixo, são menos seguros em caso de uma queda, mas bons para evitar a claustrofobia nos treinos em baixa velocidade. Botas de cano alto sem solas exageradamente grossas são aconselháveis para “sentir” melhor os comandos de câmbio e freio traseiro, e o mesmo vale para luvas, que não precisam ser grossas demais para não anularem a necessária sensibilidade nas mãos.

3 – SAIBA FREAR
A maioria das moto-escolas ensina que é o freio traseiro que manda nas frenagens, e ao dianteiro cabe um mero papel de coadjuvante. Este é um erro grave. Na vida real, para parar de verdade é o freio dianteiro que deve ser usado com maior intensidade.

Para aprender os segredos de como frear bem, procure uma rua tranquila, um pátio de estacionamento vazio ou qualquer lugar onde você esteja seguro para repetir frenagens em baixa velocidade, alternando o uso dos freios dianteiro e traseiro até entender como cada um atua. Logo você perceberá que o melhor resultado será conseguido ao aplicar cerca de 70% da força de frenagem na dianteira, deixando ao freio traseiro apenas a função de equilibrar a moto na desaceleração.

4 – CUIDE DOS PNEUS
Motocicletas em movimento têm apenas duas pequenas áreas de contato com o solo, os pneus. Por isso, é muito importante cuidar bem deles. Pneus de má qualidade ou desgastados afetam de maneira brutal a dirigibilidade. Escolher marcas boas (dê preferência ao equipamento padrão com o qual a moto sai da fábrica) e não alterar as medidas recomendadas são as regras a serem seguidas.

Outra atitude obrigatória é respeitar a recomendação estabelecida pelo fabricante para a pressão, lembrando sempre que a medida correta será sempre obtida com os pneus frios, uma vez que o natural aquecimento devido ao atrito com a pavimentação altera a medição.

Uma pressão abaixo da especificada pelo fabricante deixa as respostas da motocicleta mais lentas, aumenta o consumo tanto de pneus quanto do combustível e, em casos mais graves, pode provocar danos às carcaças dos pneus, comprometendo a segurança. A pressão excessiva torna a moto arisca demais, instável na transposição de qualquer defeito do pavimento, e diminui ainda mais a já pequena área de contato com o solo.

5 - APRENDA A ESTACIONAR
Aprender a estacionar sua motocicleta de maneira correta pode evitar problemas e cenas constrangedoras. Quando o piso é plano e regular, sem degraus ou imperfeições, não há muito segredo. Seja com o cavalete lateral ou com o central, o sucesso da operação é quase sempre garantido. Porém, o mundo não é todo planinho e nem sempre a fresta que você achou para estacionar tem um piso perfeito.

Regra número zero é jamais estacionar sua moto em uma via íngreme com a roda dianteira embicada no meio-fio, uma vez que, na hora que você precisar sair, empurrar a moto para trás pode resultar em uma tarefa impossível, digna de Hércules.

Outra arapuca na qual os motociclistas inexperientes caem com frequência é não prestar atenção na inclinação da via e escolher estacionar de maneira tal que o cavalete lateral não consiga deixar a moto em um ângulo estável. Tanto muito em pé quanto muito deitada resulta em problemas. No primeiro caso, qualquer esbarrão pode derrubá-la; no segundo, ela ficará inclinada demais exigindo força exagerada para ser colocada em posição de partida.

Uma dica importante nesses estacionamentos em locais íngremes é deixar a primeira marcha engatada, o que funcionará como um freio de estacionamento. Já quanto a usar o cavalete central, a regra é simples: nas ruas íngremes a roda dianteira deve estar apontada para a parte mais elevada da via, mas não de modo a tornar a tarefa de tirá-la do cavalete algo impossível.

6 – LEMBRE-SE DAS TRAVAS E CAVALETE
É mais comum do que se imagina que a pressa e a distração acabem provocando pequenos acidentes que podem ter consequências nem tão pequenas assim. Nos referimos ao eventual esquecimento de recolher o cavalete lateral ao sair ou deixar de retirar travas antifurto.

Tanto em um como em outro caso, o dano pode ser apenas material, com um arranhão cá ou uma entortada lá, mas às vezes um cavalete esquecido aberto pode fazer com que você perca o controle de sua moto em uma curva. Como evitar isso? Sendo atento e criando procedimentos, rituais que você deve incorporar ao seu dia a dia no guidão.

7 – SEMPRE SINALIZE
Usar pisca-pisca é fundamental não só para a segurança do motociclista como também dos restantes usuários da via, sejam eles outros condutores de veículos ou pedestres. Aliás, quanto mais você usá-los, maior será a segurança geral. Pisca-pisca não gasta, não dói e ao contrário da buzina, não chateia ninguém. Seja para uma simples mudança de faixa em uma avenida, para entrar em uma via transversal ou fazer uma conversão, usar o pisca-pisca é quase como convocar um anjo da guarda suplementar.

Do mesmo modo que você deve se acostumar a usá-lo com frequência, deve habituar-se a desligá-lo, uma vez que apenas algumas motos – todas elas grandes e caras – possuem sistemas de desarme automático como nos automóveis.

8 - SEJA VISTO
Dar preferência a trajes de cores chamativas é algo que ajuda muito a segurança do motociclista. Caso prefira jaquetas de cores escuras (que sujam menos), avalie com carinho o uso de coletes ou ao menos as faixas de material reflexivo, que vão fazer te deixar visível quando o farol de outros veículos apontar para você.

Outro fator fundamental da segurança do motociclista é jamais descuidar das lâmpadas: infelizmente a maioria das motocicletas ainda usa uma só lâmpada na lanterna traseira – e ainda por cima de filamento único e incandescente. Ou seja, quando queima, a escuridão é total. Ter lâmpadas de reserva e saber como fazer troca é um dever. O mesmo vale para as lâmpadas de pisca-pisca e de farol.

9 - “LEIA” O PAVIMENTO
Infelizmente, o Brasil é um país onde a maioria das cidades tem uma pavimentação péssima, quando tem. Com vimos no item “pneus”, motocicletas são sensíveis por conta da pequena área de contato com o solo.

Um motociclista iniciante tem como tarefa aprender a “ler”o chão à sua frente e saber se comportar ao guidão conforme o caso. No asfalto liso e seco não há problemas. Porém, asfalto brilhando demais faz a moto reagir de um jeito, asfalto claro demais, de outro, rugoso demais, outro ainda. E o que dizer dos pisos de paralelepípedo, bloquete, das “estradas de chão” ou de rodar nas cidades praianas onde areia solta é algo comum?

Sair dessa sinuca de bico requer uma e uma só coisa: muuuuita atenção! Olhar sempre para onde sua roda “pisará” é a lei para não se ver de pernas para o ar sem mais nem menos.

10 - POSICIONAMENTO NA PISTA
Motos são pequenas, rápidas e muitas vezes os outros usuários da via simplesmente não as veem. Seja previdente e busque posicionar-se de maneira muito visível.

Andando atrás de automóveis, evite os que tem vidros escurecidos, que te impeça de ver o que está à frente dele. Além disso, tente ficar em uma posição onde você enxergue nos espelhos retrovisores os olhos do motorista, pois se você está vendo os olhos dele, ele estará te vendo também.

Em estradas ou vias expressas, tente rodar a uma distância de pelo menos dois ou três “carros” do veículo à frente (12 a 15 metros). Quanto maior a velocidade, maior deve ser o espaço, garantindo a você tempo de reação em uma emergência.

Outra regra “de ouro” é rodar seguindo a trilha dos pneus do veículo à frente, especialmente em piso molhado. Ali haverá menos água, além de ser menor a chance de atropelar um objeto solto na estrada.

Para cuidar muito bem de seu pneus conte com quem entende do assunto: Casa Fernandes Pneus

ASFALTO DE MÁ QUALIDADE PODE COMPROMETER O AMORTECEDOR

Fonte: Garagem 360

carro blog placa tampada

Fundamental para a segurança do veículo, o amortecedor é responsável pelo desempenho correto da suspensão e pelo contato permanente dos pneus com o solo.  Como qualquer outra peça, precisa de revisões regulares, especialmente se o veículo circular por estradas ou ruas com o asfalto irregular. Isso pode causar desgastes excessivos ao componente, comprometendo a estabilidade.

Revisão

A Casa Fernandes Pneus recomenda a checagem preventiva dos amortecedores a cada 10 mil quilômetros de uso, ou conforme a orientação da fabricante do veículo. Porém, uma avaliação imediata deve ser feita caso o motorista perceba qualquer problema com a suspensão.

Quando o amortecedor está deteriorado, os riscos de aquaplanagem e redução de estabilidade são elevados. Isso pode fazer com que o motorista perca o controle em curvas e cause um acidente. Uma peça em mau estado também interfere diretamente na capacidade de frenagem do carro.

Sinais

Trepidações, solavancos, barulhos excessivos e metálicos são alguns dos sinais de que algo não está bom. Desgastes na parte central do pneu também podem indicar um problema nos amortecedores. Caso perceba qualquer um desses sinais, o motorista deve procurar uma oficina especializada. Isso impede que a situação se agrave e que a segurança não seja comprometida.

#VempraFernandes e deixe sempre seu carro em dia,evite acidentes e/ou imprevistos.

CINCO LUGARES PARA FAZER BATE E VOLTA PRÓXIMOS DE SÃO PAULO

Fonte: Portal do Governo de São Paulo

Quem não tem tempo de fazer viagens longas, pode conhecer pontos turísticos pertinhos de São Paulo. Confira!

Muita gente que mora em São Paulo não abre mão das funcionalidades que a cidade oferece. É tanta agitação que tem hora que dá vontade de fugir para um lugar mais tranquilo. Mas, quem conhece o típico paulistano sabe que quase sempre os planos de uma viagem ficam postergados.

Fique tranquilo! O Portal do Governo de São Paulo traz cinco dicas de cidades turísticas bem próximas da capital paulista para quem tem pouco tempo de fugir da rotina corrida. A partir de agora você não tem mais desculpas para adiar o seu descanso.

Paranapiacaba trem

Quem está procurando um lugar tranquilo para passear não precisa ir muito longe. Com um toque britânico, a charmosa Vila de Paranapiacaba, pertencente ao município de Santo André, está localizada no limite entre o Planalto Paulista e a Serra do Mar. São aproximadamente 40 quilômetros da capital, com opção do acesso de trem da CPTM. Aos domingos, é possível viajar pelo Expresso Turístico da CPTM que sai da Estação Luz.

A Vila, nomeada pelos índios tupis, tem no seu nome o significado “de onde se vê o mar” e surgiu a partir da ocupação inglesa na Serra do Mar para a construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí, no final do Século 19. O local é uma boa opção para os amantes da natureza e também de história.

São Roque

são roque

Outra boa opção para quem pretende ir e voltar no mesmo dia. A apenas 70 quilômetros da capital, a cidade conserva os ares de interior. No inverno, um bom vinho é a pedida ideal para aproveitar o clima gelado.

Quem vai com crianças no fim de semana pode aproveitar o Ski Mountain Park e a Fazenda Angolana. São atrações bem diferentes: o parque conta com pista artificial de esqui e outras atividades. Já na fazenda, os pequenos podem entrar em contato com a natureza e com animais.

Para os adultos, todos os anos, durante a primavera, São Roque sedia a maior festa do Estado voltada aos admiradores da alcachofra e vinhos. São preparados diferentes pratos com base na flor que se destacou na cidade e, como não poderia faltar, são servidas rodadas de vinhos para degustação.

Holambra

holambra

Um pedacinho da Holanda no Brasil! Localizada a pouco mais de 130 quilômetros de São Paulo e conhecida pelo cultivo de flores, a mistura dos dois países está sempre presente nessa charmosa cidade. Para quem não sabe, o projeto inicial dos imigrantes holandeses responsáveis por povoar Holambra era fazer da região a maior produtora de leite, e não de flores. A troca, idealizada pelos brasileiros e holandeses, deu certo. Hoje, a cidade é a principal exportadora do Brasil.

Embu

embu

Localizada a apenas meia hora da capital paulista, na região de Itapecerica da Serra, Embu das Artes encanta por suas ruas de paralelepípedos e construções arquitetônicas típicas dos tempos do Brasil Colônia. Conhecido pela famosa feira de arte e artesanatos, realizada desde a década de 1960, o município recebe milhares de visitantes todos os fins de semana em busca de arte, cultura, lazer e boa gastronomia.

Embu das Artes fica a 30 minutos do centro de São Paulo. A melhor via de acesso ao município é a Rodovia Régis Bittencourt (BR 116), pelos quilômetros 279 e 282, a partir da Marginal Pinheiros, em São Paulo, e pela Rodovia Raposo Tavares/ Rodoanel ou também pela Avenida Prof. Francisco Morato. De metrô ou ônibus, é recomendável descer na estação Campo Limpo, da linha 5-Lilás (Capão redondo – Santo Amaro) do metrô. De lá, sai o ônibus intermunicipal com o letreiro Embu Centro, que vai até o centro de Embu das Artes. Assim como no metrô Capão Redondo.

Santos

santos

A cidade mais conhecida do litoral de São Paulo fica a pouco mais de 70 quilômetros da capital. Berço do maior porto da América Latina, é também o maior município do litoral paulista. Por lá, além de toda a extensão da praia, há uma série de opções de lazer. O Aquário de Santos é um deles e é um dos mais visitados pelos turistas. Criado em 1945, é o mais antigo do país.

A cidade também abriga o Museu do Café, instalado no edifício da Antiga Bolsa Oficial do Café. O espaço apresenta ao visitante toda a trajetória da iguaria no Brasil e no mundo, com opções para degustação e compra.

Para conhecer todos esses lugares é preciso pneus em bom estado e estar com a revisão do carro em dia, vem pra Casa Fernandes Pneus que te ajudamos nisso!