PILOTANDO SUA MOTO SOB CONDIÇÕES ADVERSAS

É importante estar atento aos diferentes aspectos que se apresentam em uma longa viagem de moto.
Fonte: Revista Moto Adventure

 

Considere que uma longa viagem de moto pode significar tanto uma jornada de alguns dias como de vários meses. É uma questão de percepção, mas, independentemente da duração, acabam tendo muitos fatores em comum, que podem ser analisados a partir das experiências vividas por vários motociclistas.

Em longas viagens, inúmeros fatores podem se apresentar, diminuindo sua segurança e tornando-o mais vulnerável. É crucial que um bom piloto esteja atento aos detalhes, sempre observando tudo ao redor, analisando coerentemente as situações e antevendo possíveis complicações. Confira, a seguir, algumas que comumente são relatadas por viajantes de todo o mundo.

PLANEJAMENTO

É bastante provável que você não conheça boa parte do itinerário de sua viagem. Isto faz com que tenha que proceder à análise do pavimento, das condições de tráfego e tudo mais no momento em que estiver enfrentando as situações. O que demanda um estado de alerta total, para que seu desempenho esteja à altura das necessidades. O planejamento estratégico se torna uma ferramenta indispensável – levantar todos os dados por onde passará é uma medida extremamente salutar, pois permite que você saiba de antemão o que poderá esperá-lo em determinado lugar. Note que se trata de previsões, uma vez que é impossível antever todo tipo de ações que possam modificar o plano inicial. Ainda assim, o planejamento ajuda a compor uma ideia de como se deve proceder.

Estradas longas e de bom pavimento tendem a se tornar monótonas, induzindo ao cansaço e ao sono. Combata isto focando a atenção nos detalhes de construção da estrada, a aderência do pavimento, sinalização, comportamento de outros usuários etc. Faça paradas regulares para se alongar, movimentar e se hidratar. O corpo perde muito líquido, que deve ser reposto periodicamente. Esteja preparado para bruscas mudanças no estado da estrada – em muitos lugares, como próximo de divisas estaduais, existe uma categórica mudança na qualidade do pavimento. Não se deixe iludir com o aparente bom estado em um trecho, pois isto pode mudar sem qualquer aviso.

Caso a estrada enfrentada não esteja em boas condições, evite que sua atenção esteja muito próxima de onde estiver passando – ver um buraco a uma distância de cinco metros não é o mesmo que fazê-lo a 20 metros. Quanto mais longe estiver olhando, mais tempo você terá para decidir como lidar com o obstáculo.

Adote um ritmo que permita conforto, mas, principalmente, que dê segurança às suas ações. Deve ser compatível com suas habilidades. A experimentação fora de sua zona de conforto deve ser deixada para quando estiver em um lugar que permita alguma extrapolação – enquanto, em uma viagem, pode significar o abandono de um sonho longamente almejado. O segredo é fazer só o que se sabe, sem se expor a qualquer tipo de risco propositadamente – já bastam os riscos inerentes à própria viagem.

Preste atenção à movimentação de outros veículos – maior incidência de veículos pesados, como ônibus e caminhões, quase sempre acarreta em piso mais ondulado e liquidos derramados. Já em lugares onde predominam veículos leves, é preciso muita atenção às médias horárias e previsão de abusos que, eventualmente, possam ocorrer com as velocidades exercidas por alguns.

LUZ

O nascer e pôr-do-sol são sempre espetáculos fascinantes, mas que aumentam muito as dificuldades de quem está na estrada. Devido ao ângulo formado com a linha de visão, podem trazer ofuscamento da visão em diversas ocasiões. Se não for de suma importância, opte por descansar um pouco até que a visibilidade não esteja tão afetada. Caso contrário, se for preciso, por qualquer razão, pilotar nessas condições, mantenha velocidades compatíveis com sua capacidade de reação e aumente ainda mais a atenção. Boa parte dos acidentes em estrada ocorre exatamente nesses horários, nos quais a visibilidade é prejudicada pela iluminação. Tenha em mente que, no momento em que tiver o sol atrás de si, isto não representará ofuscamento para você; mas certamente ofuscará a visão de quem vem no sentido contrário – portanto, a atenção maior deve ser com o comportamento que esses veículos terão em relação a você. Para se precaver, adote um posicionamento que permita ser visto pelas outras pessoas. E sempre use equipamentos de proteção adequados. O uso de reflexivos é muito útil para torná-lo visível aos demais usuários da via.

VEÍCULO

Todos que estão prestes a executar uma aventura motociclística preparam a moto com extremo zelo, tentando antecipar todo tipo de problemas que poderão enfrentar. Definitivamente é o modelo correto a se seguir, mas poucos se lembram que, em longas viagens, há uma série de desgastes que modificam o comportamento da moto. Fique particularmente atento às mudanças de pavimento – sair de uma estrada de terra ou lama para uma de asfalto significa que os pneus estarão sujos do terreno anterior, precisando de tempo para obter o melhor rendimento no novo trecho. No sentido inverso, o risco maior é estar adaptado a um ritmo muito mais veloz no asfalto e ser induzido a esta velocidade por constância. O novo pavimento exige radical mudança na velocidade e no ritmo – fique atento a esta armadilha!

Com o passar dos quilômetros, os freios também apresentarão mudança comportamental devido ao desgaste natural de suas peças. Atentar ao comportamento dos freios a cada etapa do trajeto evita que você seja surpreendido por um funcionamento deficitário do sistema.

A transmissão também deve ser observada com cuidado. Uma corrente suja, empoeirada, ou sem a devida lubrificação pode ocasionar sérios eventos – da simples quebra a acidentes fatais. Inspecione periodicamente, durante a viagem, o sistema de transmissão, mesmo que seja cardã ou correia dentada. Deixar de conseguir transmitir a energia do motor para a roda pode significar o fim de uma viagem. Uma moto que não esteja respondendo como deveria, deve ser imediatamente inspecionada – caso o reparo não seja possível ou viável de imediato, o piloto deve proceder com extrema cautela até que possa sanar o problema.

CONDUTOR

Uma longa viagem de moto pode trazer muitos aspectos negativos para o condutor – acostumar-se a uma rotina é o menor deles, enquanto a ansiedade para completar um objetivo pode facilmente ser desastrosa.

Afastar-se de seu cotidiano pode ser, a princípio, uma boa ideia para recarregar as baterias biológicas e emocionais; mas, como nada é perfeito, também traz uma carga de problemas que um bom piloto deve saber enfrentar.

O cansaço em viagem é um fator que quase sempre está presente em eventos catastróficos – nunca permita que haja a diminuição de suas capacidades operacionais por querer cumprir uma data ou horário. Cansaço não tem hora – e quando acontece, deve ser respeitado, pois poderá acarretar em um problema muito maior que o simples atraso. Fique atento às suas habilidades e, assim que identificar uma diminuição, pare para se recompor – o tempo que for necessário, não importando onde esteja.

A tensão causada pelas condições de viagem em determinado ponto também oferece riscos à segurança, pois turva sua capacidade de raciocínio, expondo-o a decisões potencialmente perigosas. Ao se sentir incomodado em algum trecho – ficando tenso ou estressado –, antecipe a parada e procure relaxar. Alimente-se adequadamente e dê muita atenção à hidratação. Evite ao máximo fazer experimentações com comidas exóticas ou muito condimentadas – o que menos precisamos é uma indisposição alimentar! Apenas prossiga quando conseguir novamente focar sua atenção no que está por vir.

E jamais utilize medicamentos, drogas ou álcool enquanto pilotar. A diminuição de suas capacidades raramente é perdoada pela moto – ela exige que o condutor esteja sempre apto para exercer as funções necessárias à pilotagem. Quando isto não acontece, cobra caro o desrespeito. Portanto, esteja preparado!

E, antes de pegar a estrada, lembre-se de passar na Casa Fernandes Pneus, para aquele check-up na sua companheira de aventuras! CLIQUE AQUI e confira nossos serviços!

 

 

DETRAN/SP LANÇA CAMPANHA POR “SORRISÃO” NA FOTO DA CNH

Detran/SP divulga que o sorriso é bem-vindo na identificação do condutor na CNH.
Fonte: Siga Mais

cnh detransp

 

A repercussão da história contada nas redes sociais pelo fotógrafo Filipe Borges sobre a sua saga para ter o direito de sorrir na foto de sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em Minas Gerais, chamou atenção do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran/SP), que iniciou nesta semana a campanha “Vai ter Sorrisão”.

Com a hashtag #CNHLacradora, em alusão à expressão utilizada nas redes sociais para elogiar atitudes positivas, a campanha do Detran de São Paulo começou com posts nas redes sociais do órgão, e vai se estender às unidades de atendimento, que vão receber, nos próximos dias, cartazes para informar a população sobre o "sorrisão".

“A regra não é nova no Detran de São Paulo, mas nós vimos a dimensão que o tema tomou nas redes sociais e a quantidade de gente que desconhecia essa possibilidade. Como levar informação ao cidadão vem sendo um esforço constante do departamento, aproveitamos a oportunidade para reforçar as regras do que é permitido ou não para a foto da CNH”, afirma o diretor-presidente do Detran/SP, Maxwell Vieira.

Por mês, o órgão paulista emite cerca de meio milhão de CNHs em todo o Estado. A foto é tirada na hora, na própria unidade de atendimento. Por isso, quando for renovar ou dar início ao cadastro para a 1ª habilitação, vale caprichar no visual pra não ter que lamentar pelos próximos anos toda vez que você olhar o documento.

Outros itens permitidos

Respeitando os direitos e garantias fundamentais do cidadão, o Detran paulista permite a utilização de uma série de acessórios, como turbantes, gorros, bonés com a aba para trás, lenços ou “hijab”, hábito religioso, bindi (maquiagem indiana) e óculos de grau (desde que com lentes antirreflexo).

Apenas os itens que prejudicam a identificação, cobrindo ou fazendo sombra no rosto, não são permitidos, como boné com a aba voltada para a frente, óculos escuros e os véus islâmicos “niqab” e “burka”.

O Detran/SP nas redes sociais

O Detran/SP utiliza as redes sociais para divulgar informações sobre serviços, dar dicas e estimular a discussão sobre um tema que pouca gente gosta de falar: segurança no trânsito. Ao tratar todos os temas de forma bem-humorada, o órgão busca aproximar da sociedade um órgão com atribuições bastante formais.
A estratégia se junta às campanhas educacionais e faz parte da missão do Detran.SP de promover educação para o trânsito.

E, para sair sempre tranquilo e manter o sorrisão da foto da CNH, passe na Casa Fernandes Pneus e faça a revisão do seu veículo. Conheça os nossos serviços e visite uma de nossas unidades. 

7 DICAS PARA UMA PILOTAGEM SEGURA EM DIAS DE CHUVA

Sugestões de manutenção e cuidados para o motociclista na hora que ele mais precisa.
Fonte: Moto Adventure

 

Pilotagem na chuva

Todo motociclista sabe que a manutenção da sua moto é essencial para garantir um passeio seguro e sem surpresas. No entanto, nos dias de forte chuva ou pista molhada, é necessário redobrar a atenção, não somente na estrada, mas também nos cuidados com a motocicleta. Realizar uma visita periódica ao mecânico e trocar peças específicas são alternativas para trazer um pouco mais de segurança e praticidade durante os dias chuvosos. “Nem sempre é possível prever quando o tempo irá mudar, por isso, é indispensável seguir alguns cuidados de maneira recorrente e adequar ações ao cotidiano para evitar qualquer situação extrema”, afirma André Munhoz Moreira, marketing da Riffel Motospirit.

Veja a seguir algumas dicas básicas para encarar os dias de chuva com mais segurança:

Aquaplanagem: Embora em menor escala do que em veículos de maior porte, está comprovado que essa situação pode ocorrer também com as motocicletas. Para evitar que esta seja uma causa de um acidente, torna-se importante diminuir a velocidade nos dias chuvosos ou até mesmo parar o passeio e esperar a chuva passar.

Pneus: É necessária a atenção constante aos pneus. Se eles estiverem gastos ou até mesmo sem os populares “frisos”, podem derrapar com facilidade nas poças d’água. A troca regular garante segurança mesmo com as mudanças do clima. Outro ponto que merece atenção é a pressão dos pneus, que deve ser ajustada de acordo com a recomendação do fabricante.

Freios: Embora seja essencial para garantir a segurança durante o passeio com a motocicleta, ele pode se tornar um vilão nos dias de chuva. O motociclista deve evitar acionar o freio de maneira brusca quando passar por grandes áreas de acúmulo de água, impedindo assim que a roda tracione rapidamente e acabe deslizando no solo molhado, o que pode causar uma queda ou acidente mais grave.

Faróis e setas: Essenciais para dias tradicionais, eles se tornam ainda mais importantes nos dias chuvosos. O grande acúmulo de água pode fazer com que os outros motoristas não tenham exatidão da localização da motocicleta, por isso, é necessário que os faróis e setas estejam em dia para garantir a “comunicação” com os outros veículos na pista.

Distância e ponto cego: O bom motociclista sabe as técnicas de pilotagem para evitar colisões e situações na estrada, mas nos dias de chuva é necessário redobrar todos os cuidados. Como alguns motoristas perdem a visibilidade com facilidade quando há grandes quantidades de água, o motociclista também precisa ficar atento aos veículos que trafegam com ele na pista.

Para-brisa: Se a motocicleta possuir o item, é essencial que ele esteja sempre limpo e em bom estado. Arranhões ou rachaduras podem fazer com que a visibilidade seja comprometida. Para os dias de chuva, a dica é utilizar produtos e líquidos que repelem a água.

Lavagem e lubrificação: Depois de um banho de chuva é necessário lavar a motocicleta por completo e lubrificar a corrente. A sujeira da rua e os dias chuvosos aceleram a remoção dos lubrificantes tradicionais e antecipam a corrosão de componentes, como o conjunto de relação, por exemplo, que acaba ficando com a vida útil reduzida.

E lembre-se de passar na Casa Fernandes Pneus regularmente, para fazer aquele check-up na sua companheira do dia-a-dia!

AS MELHORES VIAGENS DE CARRO SAINDO DE SÃO PAULO

Observar as paisagens no caminho e poder apreciar cada detalhe como se fosse uma obra de arte, torna o momento muito mais especial, não acha? Confira a seguir alguns destinos para curtir a viagem de carro como se cada estrada fosse um quadro.

Fonte: Pegcar
As melhores viagens de carro saindo de São Paulo

Viagens de carro para quem busca vistas incríveis

Montanhas, cachoeiras, verde e céu azul fazem toda a diferença na viagem se podem ser vistos no caminho do seu destino. Tem um efeito terapêutico apreciar a imensidão das paisagens, parar na estrada para fotografar e ter este contato tão raro com a natureza.

São Thomé das Letras (349 km de São Paulo): Muitas montanhas, cachoeiras, verde infinito e um céu azul quase cinematográfico, esta cidade mineira atrai hippies em busca de uma experiência única com a natureza, as estradas que te levarão a este paraíso são de muitas paisagens, beleza natural e tranquilidade para retornar à cidade grande renovado.

Congonhas (584 km de São Paulo): A umas 7 horas da capital, esta cidade que fica para lá de São João Del Rei é típica cidade interiorana, onde o sossego é garantia, onde violência é uma palavra quase desconhecida e o pão de queijo completa suas vantagens. As estradas que ficam em seu caminho compõem-se de muito verde, montanhas, animais silvestres, ar leve e um céu azul de tirar o fôlego de qualquer um.

Viagens de carro para quem busca praia

O litoral norte e sul estão aí, disponíveis aos paulistanos, com suas praias cheias e paradisíacas, com sua areia granulada e fininha, com seu sol quente e sua sombra fresca – tem praia para todos os gostos – neste caso, você pode escolher a que melhor se encaixa no que para você é praia de verdade.

Trindade (285 km de São Paulo): Um pouco mais a frente de Ubatuba, Trindade se avizinha de Paraty e para chegar até este paraíso são uns 40 minutos em estradas que provocam calafrios, mas a paisagem, em compensação, vale o medo. É uma sequência de praias, do Cepilho, Praia do Meio, Praia do Sono, Praia dos Ranchos, do Cachadaço e claro, as cachoeiras e a piscina natural. Suas águas são cristalinas, e tem ondas para todos os gostos, mais fortes e mais delicadas.

Ubatuba (224 km de São Paulo): na divisa de Paraty, Ubatuba fica no litoral norte e conta com mais de 100 praias, ou seja, opção não falta. As estradas que levam até estas praias valem o clique e a parada para apreciar. Itamambuca é ideal para quem curte pegar onda, Prumirim para quem ama um clima paradisíaco e Tenório para quem gosta de lugares cheios.

Viagens de carro para quem busca história e cultura

Artesanato, arquitetura antiga, ruas de paralelepípedo, feirinhas e um povo simples com as marcas da cultura caipira. Se você se interessa pela história do seu destino, pelos souvenirs e pelas lendas mais contadas, um destes lugares vai te inspirar.

São Luiz do Paraitinga (174 km de São Paulo): famosa pelo seu carnaval de rua, a cidade também oferece ótimas opções para quem se amarra em cultura no resto do ano, seu centro histórico foi tombado como patrimônio cultural nacional. A folia do divino, que começa 40 dias depois da páscoa, tem novena, congada, dança de fita, procissões e quermesses.

Embu das Artes (43 km de São Paulo): a 30 minutos da capital, Embu conta com uma feira de artesanato com 800 expositores, o evento acontece aos finais de semana, e em suas barracas podem ser encontrados móveis, antiguidades, tapetes, quadros e muito mais.

Paranapiacaba (62 km de São Paulo): Expresso Turístico, Estação Ferroviária, Museu Castelo e Festival de Inverno são alguns de seus principais atrativos. Sua arquitetura inglesa, suas vielas, pontes e construções antigas fazem desta viagem uma aula extra de história.

Gostou das dicas? Então aproveite as férias para conhecer novos lugares, e conte com a Casa Fernandes Pneus para deixar seu carro pronto para a viagem!

DICAS PARA VIAJAR DE MOTO NO INVERNO

Você sabia que viajar de moto em dias frios nos expõe a riscos extras? Mas ninguém vai deixar de rodar as estradas por conta do inverno, vai!? Baixas temperaturas podem causar hipotermia se não estivermos bem agasalhados. Assim, preste atenção nessas dicas para garantir que seu passeio seja um sucesso.
Texto: Odair Alves / Fonte: Andarilhar

02

Pilotagem no frio – Cuidado com a hipotermia!

A hipotermia ocorre quando a temperatura do corpo cai abaixo dos 35°C, o que pode ocorrer após algumas horas de pilotagem no frio e pode causar tremores, lentidão de reflexos, espasmos musculares, além de confusão mental.

Percebeu o porque de tomar alguns cuidados antes de sair para viajar de moto no frio?

Com a ação do movimento da moto, dependendo da velocidade e das condições climáticas (chuva, por exemplo) a temperatura pode cair de 5 a 10 graus! Se for um dia que a temperatura estiver perto de 15°, a sensação térmica pode ser de aproximadamente 5°.

Então acompanhe as dicas:

Roupas adequadas para viajar de moto no inverno

Hoje, existem milhares de opções de roupas térmicas (as famosas Segunda Pele ), que nos deixam confortáveis e estabilizam a temperatura do nosso corpo.

Especial atenção aos pés e mãos – Por serem extremidades e estarem mais expostas, sentimos muito mais frio por eles. Para nossos pés o ideal é o uso de botas com o cano longo e colocar a calça por dentro dela, evitando que entre aquele vento gelado pela barra da calça (uma meia de tecido térmico ou uma polaina ajudam também, mesmo se sua bota for de cano curto). O uso de uma meia impermeável ( usadas por mergulhadores e feita em neoprene ) pode ser bem interessante e viável, principalmente se você pegar algum trecho com chuva, o que geralmente nos deixa com os pés molhados.

Com as mãos, cuidado para nao perder a sensibilidade do acelerador e do freio – uma luva muito grossa prejudica a sensibilidade e pode comprometer a firmeza ao segurar os guidons. Uma dica aqui é usar uma luva térmica (lã) por baixo de uma impermeável (ou não . Esse detalhe da sensibilidade é bem importante, portanto procure uma luva que não te incomode e que permita que você sinta os comandos da moto sem prejudicar seus movimentos.

Mesmo com as mãos aquecidas, procure sempre que possível fazer movimentos de abrir e fechar a mão para ajudar a circulação e relaxar um pouco a musculatura.

Em quase todas as motos, nossas pernas ficam mais expostas ao vento, uma calça de lã ou segunda pele por baixo manterá a temperatura do corpo estável. Em lojas de esporte achamos com facilidade este tipo de calça e blusa, muito usado por montanhistas, ciclistas e atletas de outras modalidades. As calças para motociclistas vêm com um forro térmico removível, mas mesmo assim o uso de uma segunda pele ajuda muito.

A blusa térmica (como a calça também ) deve ser usada em contato com o seu corpo, coloque a blusa e por cima dela você pode usar uma malha de lã mais fina ou até uma camiseta.

O uso de uma jaqueta é primordial, ate mesmo em dias quentes, e isso é para sua segurança. Uma jaquetas de cordura com forro removível é muito vantajosa, pois no verão você pode retira-lo e usar normalmente sua jaqueta sem cozinhar dentro dela. Lembre-se de fechar tudo certinho até o pescoço. As luvas devem ser colocadas por cima da jaqueta para evitar que o vento e a água entrem pela manga.

A balaclava é uma boa opção. Além de seu pescoço e orelhas ela mantém toda a sua cabeça aquecida. Vista ela e prenda dentro de sua jaqueta. Além de que, o uso da balaclava durante o todas as estações do ano é recomendado para evitar que o forro interno de seu capacete fique muito sujo devido ao suor e garanta uma melhor higienização do seu capacete, prolongando a vida útil da parte interna dele.

O uso de cachecol não é muito indicado, mas caso você goste dessa proteção extra, nunca mais nunca mesmo deixe as pontas dele para fora de sua jaqueta porque ele pode se desprender e enrolar n a transmissão da moto e causar um enforcamento. Coloque ele e use essas pontas para proteger seu peito por dentro da jaqueta, certo?

01

Cuidados com o capacete em dias frios

Um dos nossos inimigos no frio é o embaçamento de nossas viseiras. O ar que expiramos contém umidade (quente) que se condensa quando entra em contato com a viseira (fria). Manter a viseira aberta não dá, ainda mais se estiver chovendo. A solução mais eficaz e garantida é a instalação de uma película anti-embaçante que achamos em lojas específicas para motociclistas. Vale a pena este investimento!

Cuidados com os pneus

Seus pneus, devido a baixa temperatura, demoram mais tempo para esquentarem e chegarem ao Grip ideal, então comece sua aventura com bastante calma para todo o conjunto se ajustar às condições de temperatura.

Alongamentos são fundamentais

No frio, nós tendemos a retesar o corpo, deixando-o mais tenso, portanto o comprometimento da musculatura é maior em dias frios. Durante sua jornada, procure parar com maior frequência para um rápido alongamento para não correr o risco de ter uma câimbra. Tome um café com leite ou chocolate quente acompanhado de um pão de queijo, isso vai ajudar a manter você mais aquecido.

Lembre-se de fazer um bom alongamento antes de sua jornada, isso irá ajudar a esquentar um pouco e relaxar bem os músculos.

Dicas para viajar de moto no inverno

Pilotar com chuva – Ninguém merece chegar molhado ao seu destino!

Outro ponto é se chover… Os riscos aumentam (e muito). Além de que pilotar molhado não é nada bom… Então atentem para estas dicas:

Tenha sempre uma capa de chuva em suas viagens, o tempo muda rápido e pode te pegar a qualquer momento. Nossas roupas de motociclistas são resistentes à chuva e algumas têm os forros impermeáveis; mesmo assim, se pilotar por longos períodos embaixo de água, você pode se molhar… Uma ideia é usar spray impermeabilizante em sua luva, calça e jaqueta, vai prolongar o “efeito” e você consegue chegar a um local seco e seguro para colocar a capa. Quando for adquirir uma capa de chuva, compre uma maior do que o seu tamanho para que você coloque por cima de seus equipamentos.

Caso precise parar para colocar a capa de chuva, procure um local seguro como um posto de abastecimento. Evite parar no acostamento. Lembre-se que em dias de chuva a visibilidade dos carros e caminhões também fica comprometida!

Muito cuidado ao pilotar na chuva

Caso a chuva esteja muito forte, se possível pare por um período e espere a chuva passar ou diminuir. Em caso de alagamento, não rode aonde você não consiga ver o chão, pode haver algum buraco ou bueiro aberto e você cair nele.

Muito cuidado com os primeiros minutos de chuva! São os piores… Toda a sujeira que está dentro dos poros do asfalto sobe para a superfície, ficando muito mais sujo e escorregadio. Diminua a velocidade e antecipe todos os seus movimentos; acelere e freie com muita cautela e progressividade.

Sobre a aderência dos pneus. Com o piso molhado você terá menos aderência sim, aproximadamente 10% menos aderência do que com o piso seco… Isso se o seu pneu estiver em boas condições ainda e bem calibrado, claro! Por tanto aumente a distância dos veículos a sua frente e antecipe suas frenagens. Nem precisamos dizer aqui que sempre antes de viajar você deve verificar as condições dos pneus.

Piso molhado – procure rodar no “rastro” deixado no asfalto pelos carros

Dê preferencia por pilotar “no rastro” que os carros deixam no asfalto. Os sulcos dos pneus dos carros irão jogar a lâmina de água para fora e assim criar um “caminho” mais livre e onde o seu pneu terá maior contato com o asfalto.

Não ande nos corredores. Os motoristas estão com a visibilidade comprometida e os retrovisores embaçados, além de outros agravantes como insulfime, pro exemplo. Eles podem fechar você involuntariamente no reflexo para não cair em um buraco (que surge mais intensamente durante os períodos chuvosos. Pedestres também podem surgir do nada correndo, fora das faixas ou semáforos, para se esconder da chuva. Fora os spray’s de água que são jogados em nossas viseiras…

Essas situações de emergência irão requerer uma manobra mais rápida, que estará prejudicada em função da menor aderência dos pneus.

Em mudanças de direção muito cuidado com movimentos bruscos. Na hora de trocar de faixa de rolagem cuidado para não passar acelerando ou frenando sobre as faixas brancas e amarelas pintadas no asfalto – elas são escorregadias! Atente também para manchas escuras que podem ser óleo que ficam lisas como sabão.

Seguindo estas dicas e passando na Casa Fernandes Pneus para um check up na moto antes de seguir na estrada, você vai conseguir pilotar durante o inverno! Curta o frio com segurança!